Sim, no dia da mãe
o coração é amarelo

Para quem ama a mãe natureza.

Trabalho a concurso

Memória descritiva

Foi com enorme agrado que os nossos alunos aceitaram o desafio proposto pela ABAE para
construirmos um coração amarelo com pacotes de sumo Tetra Pak.
Para tal, decidimos, durante as férias da Páscoa, fazer um piquenique com os nossos alunos
onde um dos objetivos seria que desfrutassem dos espaços verdes que possuímos no colégio e
o outro seria colocarmos todos os alunos a contribuir para a angariação dos pacotes de sumo
que iríamos necessitar para a construção do coração.
Neste sentido, e sempre com o entusiasmo de todos os alunos pois é por eles que temos
vontade de fazer sempre mais, realizámos o piquenique, procedemos à limpeza dos pacotes de
sumo e perguntámos aos nossos alunos o que gostariam de propor para a decoração do
coração, uma vez que, o objetivo seria a construção de um coração amarelo para o Dia da Mãe
mas que estivesse relacionado com a reciclagem e a importância da mesma para a
sustentabilidade do Planeta.
Numa das conversas sobre que materiais iriamos utilizar e como o iria ser decorado o nosso
coração, surgiu a ideia de oferecermos um coração amarelo à mãe mas a uma mãe muito
especial e que é partilhada por todos, ou seja, a mãe de todos nós, a Mãe Natureza!
Após algumas trocas de ideias dos nossos alunos e de alguns pontos de vista, a ideia da mãe
Natureza começou, cada vez mais, a fazer sentido para todos. Pelo que, após escolhido o tema,
solicitámos que colocassem mãos à obra e que sugerissem exatamente o que gostavam de ver
no nosso coração, bem como, quais as mensagens que gostariam de dizer à Mãe de todos nós.
Decidimos, então, que se era objectivo do trabalho construirmos um coração amarelo para o
Dia da Mãe, o mesmo deveria conter flores que combinassem com a alegria da cor escolhida
para ser utilizada no coração. Por outro lado, se pretendíamos que todos dessem o valor que
nós damos à Natureza deveríamos também colocar alguns elementos que, imediatamente,
fizessem perceber o público que aquele coração amarelo era especial e que era dedicado a
uma Mãe que é de todos, que nos acolhe e que faz com que todos tenhamos a
responsabilidade de a acarinhar e de a tratar.
Foi, então, que surgiu a ideia do cenário com alguns elementos da natureza pois, considerámos
que as mensagens que queríamos transmitir seriam tanto mais perceptíveis quanto maior o
apelo visual que conseguíssemos fazer com o nosso trabalho. Foi, por isso, nossa intenção
utilizar um cenário de fundo para o nosso coração sobressair de modo a expressarmos aos
outros, a importância de preservarmos o que a Mãe Natureza tem de belo e de fascinante.
Quisemos, assim, apelar a todos os que vissem o nosso trabalho para a beleza e variedade de
algumas das cores existentes da natureza, bem como, para a diversidade de animais que se
aconchegam no seu coração e aos quais, nós, tantas vezes nos comparamos, nomeadamente,
a liberdade que possuem os pássaros e o apelo ao sonho e à capacidade de transformação que
as borboletas nos fazem sentir. O oxigénio e o verde das árvores que nos permitem viver, bem
como, o aspeto do campo e o cheiro dos campos floridos que todos já sentimos e que nos toca
no coração.Com todas estas ideias em mente, pusemos mãos à obra e o nosso coração foi sendo
construído com a ajuda de todos os alunos, desde o pré-escolar que se dedicaram à escolha de
cores para o cenário, à pintura dos corações e das flores, até aos alunos do 1º ciclo que se
empenharam em pintar e retocar tudo o que construíram e idealizaram para este projeto.
Todos os alunos fizeram mais animais e mais frases do que as que escolhemos para o nosso
coração amarelo porém, foi após a recolha de todos os trabalhos que decidimos, em conjunto,
aqueles que deveriam estar presentes no coração e no cenário da natureza.
Assim, os restantes trabalhos (frases, pássaros e árvores) embora não apareçam todos no
nosso trabalho estão expostos no colégio junto ao coração e ao placard construído por todos.

Escola: Colégio Parque do Falcão

Professor coordenador do trabalho: Sandra Isabel Mendes Olhicos Salgueiro